12/08/2021

10 motivos para consultar um cardiologista

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que 7,5 milhões de pessoas morrem anualmente por conta de problemas cardiovasculares. Esses números justificam a informação de que as doenças cardíacas são as que mais matam no mundo.

Os índices poderiam ser reduzidos se as pessoas praticassem a prevenção, fazendo consultas de rotina com especialistas, o que também possibilita identificar precocemente as doenças, aumentando as chances de cura e a eficácia dos tratamentos.

Aproveitando que em 14 de agosto é celebrado o Dia do Cardiologista, o especialista em saúde do coração e de outras estruturas do sistema circulatório, listamos 10 motivos para fazer uma consulta. Acompanhe!

Doenças preexistentes

Pessoas com doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, obesidade e colesterol alto devem fazer acompanhamento com um cardiologista. Exames laboratoriais e de análise clínica ajudam a compor o quadro do paciente e dão base para as orientações médicas e controle dessas doenças.

Histórico familiar

Quem tem histórico familiar de problemas cardiovasculares deve ficar ainda mais atento à prevenção. Se alguém da família já sofreu acidente vascular cerebral (AVC), infarto, morte súbita ou tem hipertensão e diabetes, o acompanhamento com um cardiologista é ainda mais importante.

Colesterol elevado

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, 40 % da população apresenta colesterol alto no país. E o colesterol elevado é uma das causas do infarto e do AVC. O grande problema é que ele age silenciosamente e não manifesta sintomas. Por isso é tão importante fazer o controle das taxas de colesterol junto ao cardiologista.

Sintomas de doenças cardiovasculares

Alguns sintomas indicam a necessidade urgente de agendar uma consulta com um cardiologista. Entre os principais sinais, estão dores no peito, palpitações, desmaios frequentes e falta de ar, baixa tolerância para exercício físico, inchaço nos pés, tornozelos e pernas, pele pálida ou azulada, dor de cabeça sem a presença de sinusite, problemas oftalmológicos ou doenças neurológicas.

Hábitos de vida

Fazem parte do grupo de risco para as doenças cardiovasculares os idosos e os diabéticos, mas também pessoas com hábitos de vida prejudiciais à saúde, como o tabagismo, o sedentarismo, a dieta inadequada e o consumo excessivo de álcool. Esses hábitos podem estar ligados a fatores de risco.

Fatores psicossociais

Estudos indicam que o risco de infarto aumenta em 60% em casos de pessoas que sofrem de ansiedade, estresse e depressão. Esses fatores também influenciam no agravamento de doenças coronárias. Quem está nessas condições deve fazer acompanhamento com um especialista do coração.

Idade 

O momento ideal para consultar um cardiologista varia de acordo com diversas situações. Via de regra, quando não houver o envolvimento dos fatores de risco, o recomendado é que homens façam o primeiro check-up cardíaco aos 40 anos e as mulheres aos 45. Se tiver fatores de risco, a idade reduz para 30 e 40 anos, respectivamente. A partir dos 55 anos, é necessária ao menos uma avaliação anual com o cardiologista, pois o coração sofre alterações com o envelhecimento, 

Início de novas atividades físicas

É muito importante consultar um cardiologista e fazer uma avaliação antes de iniciar a prática de atividades físicas, independente da idade. Na avaliação física, o médico pode identificar, por meio de exames, anormalidades no funcionamento do coração e, assim, indicar a maneira mais segura de praticar os exercícios. 

Atenção a crianças e adolescentes

Cerca de 30% das crianças brasileiras tem sobrepeso, altos níveis de colesterol e/ou triglicerídeos, o que aumenta a chance de se tornarem adultos obesos e apresentarem risco aumentado para diabetes, AVC, colesterol alto, doença arterial coronariana, hipertensão e mortalidade precoce. Portanto, nesses casos, é importante fazer avaliação com um cardiologista para definir um programa terapêutico.

Acompanhamento pós-doença

Quem já passou por uma doença cardíaca e mesmo que não tenha tido qualquer complicação ou sequela aparente, deve continuar fazendo acompanhamento com um cardiologista após a alta. O médico vai analisar a condições de saúde do paciente e criar um programa de reabilitação cardíaca. 

Agora que você já sabe a importância de consultar um cardiologista, pode agendar com um especialista e começar a cuidar da saúde do coração.

Você gostou desse conteúdo? Aqui no blog tem muitas outras dicas de saúde. Não deixe de acompanhar!

 

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade