28/09/2021

5 curiosidades sobre a surdez

Em 26 de setembro é comemorado o Dia Nacional do Surdo. Aproveitamos a oportunidade para compreender melhor a surdez, a perda parcial ou total da audição, que dificulta a compreensão e a comunicação da pessoa afetada.

A surdez – ou deficiência auditiva – pode ser congênita, quando a pessoa já nasce com a dificuldade, ou adquirida ao longo da vida, por conta de uma predisposição genética, de um traumatismo ou de alguma doença que afeta esse órgão.

A perda da audição pode ser avaliada por um médico otorrinolaringologista e medida por meio de um aparelho chamado audiômetro. É dessa forma que a surdez pode ser classificada em graus: leve, moderada, severa ou profunda.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, atualmente, existam 500 milhões de pessoas com problemas auditivos no mundo, ou seja, 6% da população mundial. A grande maioria é de adultos, nos diferentes graus de deficiência. 

Quer saber mais sobre os problemas relacionados à audição? Continue acompanhando esse conteúdo. A seguir, estão listadas 5 curiosidades sobre a surdez:

  • Os recém-nascidos do Brasil devem fazer o Teste da Orelhinha

Assim como o Teste do Pezinho, que detecta algumas doenças sérias precocemente, o Teste da Orelhinha também é lei no Brasil, portanto, todos os recém-nascidos no país devem fazer o exame. Ele é capaz de diagnosticar se o bebê tem algum tipo de perda auditiva.

  • O tratamento para a surdez depende da causa

Dependendo da causa da surdez, pode ser indicada a realização de limpeza ou drenagem do ouvido quando há acúmulo de cera ou secreção. Alguns casos, como tímpano perfurado ou correção de alguma deformidade, por exemplo, podem ser indicativos de cirurgia. Ainda pode-se recorrer ao uso de próteses auditivas ou implantes de aparelhos auditivos. 

  • Muitos surdos são analfabetos

De acordo com a Federação Mundial dos Surdos,  80% dos surdos de todo o mundo têm baixa escolaridade e problemas de alfabetização. Por conta disso, eles acabam dependendo exclusivamente da língua de sinais para se comunicarem. 

  • A língua dos sinais não é universal

A Língua Brasileira de Sinais (Libras) é uma modalidade que permite a comunicação por meio de gestos, expressões faciais e corporais. Trata-se de uma importante ferramenta de inclusão social reconhecida por lei no Brasil. Porém, cada país tem a sua língua de sinais. É uma situação semelhante à que acontece com os idiomas.

  • A audição pode ser substituída

Qualquer sentido – visão, audição, olfato, tato e paladar – pode ser perdido em diversos graus, mas, diante da perda total de sua função, o ouvido é o único órgão sensorial humano que pode ser substituído bionicamente por um implante.

Apesar da maioria dos casos indicar herança genética ou ainda de, com a idade, haver uma maior probabilidade de perda auditiva degenerativa, é importante proteger a audição, pois esse sistema é extremamente sensível. 

Além do ruído excessivo, também fazem parte dos fatores de risco o efeito de alguns medicamentos, doenças como esclerose múltipla, lúpus, doença de Paget, meningite, doença de Ménière, pressão alta ou diabetes, e doenças relacionadas diretamente com os ouvidos, como otosclerose, otite, tumor no ouvido e até a presença de objetos estranhos dentro do ouvido.

Por isso, diante de qualquer sinal de perda auditiva, é aconselhável fazer um exame, pois o diagnóstico precoce pode ser essencial para a saúde auditiva a médio e longo prazo.

Agora que você já tem mais informações sobre a surdez e a deficiência auditiva, pode evitar situações que levam a esse quadro e também pode conceder um tratamento mais adequado a quem passa por essa dificuldade. 

Compartilhe esse conteúdo com outras pessoas para que elas também saibam mais sobre a surdez!

 

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade