25/03/2021

Tudo o que você precisa saber sobre o câncer colorretal

 

A campanha Março Azul Marinho é dedicada ao debate e ao conjunto de ações de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer colorretal (CCR). Esse tipo de câncer abrange os tumores que se iniciam na parte do intestino grosso chamada cólon, no reto e no ânus. Por isso, também é conhecido como câncer de cólon, reto ou intestino.

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), esse é o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens e o segundo entre as mulheres. A estimativa é de que quase 41 mil casos novos sejam diagnosticados no Brasil entre 2020 e 2022.

Na maioria dos casos, ao ser detectado precocemente, o câncer colorretal é curável, principalmente quando ainda não se espalhou para outros órgãos. Isso justifica a importância da prevenção e da identificação precoce da doença.

Quer saber mais? Continue acompanhando o texto.

Prevenção

Muitos dos tumores são formados a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Portanto, uma maneira de prevenir o aparecimento dos tumores é a detecção e a remoção dos pólipos antes que eles se tornarem malignos.

Também faz parte das ações de prevenção manter uma dieta rica em fibras, composta de alimentos como frutas, verduras, legumes, cereais integrais, grãos e sementes, além da prática de atividade física regular.

O consumo excessivo de carne vermelha, de carnes processadas e de bebidas alcoólicas também deve ser evitado para prevenir o câncer colorretal.

Fatores de risco

Alguns fatores aumentam o risco de desenvolvimento da doença, como idade acima de 50 anos, história anterior de câncer de ovário, útero ou mama, história familiar de câncer colorretal, além de obesidade e inatividade física.

Também são fatores de risco as doenças inflamatórias do intestino e as doenças hereditárias. Portanto, pacientes com essas doenças devem ter acompanhamento individualizado.

Sintomas

O câncer colorretal pode não apresentar qualquer manifestação clínica, mas também pode provocar alguns sintomas. Às vezes, o primeiro sinal é a diminuição dos glóbulos vermelhos no exame de sangue.

Outros sinais de alerta são a mudança no hábito intestinal, como diarreia ou prisão de ventre, o desconforto abdominal com gases ou cólicas, o sangramento nas fezes, o sangramento anal e a sensação de que o intestino está cheio mesmo após a evacuação.

Também pode ocorrer perda de peso sem razão aparente, cansaço, fezes pastosas de cor escura, náuseas, vômitos e sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar.

Esses sintomas, porém, não são exclusivos do câncer colorretal. Eles também estão relacionados a infecções, hemorroidas ou síndrome do intestino irritável. Desta forma, diante de qualquer um desses sinais, a melhor atitude é consultar um médico para o diagnóstico preciso.

Diagnóstico

Quase metade dos pacientes é diagnosticada na fase inicial, graças à realização de exames de rotina, como pesquisa de sangue oculto nas fezes, retossigmoidoscopia flexível e colonoscopia.

Quando há uma lesão suspeita, o diagnóstico requer biópsia, um exame que retira para análise um fragmento de tecido dessa lesão.

Tratamento

O tratamento depende principalmente do tamanho, da localização e da extensão do tumor, além das condições clínicas do paciente. A cirurgia é a ação inicial, retirando a parte do intestino afetada e os nódulos linfáticos próximos à região.

Depois da cirurgia, a radioterapia, associada ou não à quimioterapia, é utilizada para diminuir a possibilidade de volta do tumor. Após o tratamento, é importante realizar o acompanhamento médico para monitoramento de recidivas ou novos tumores.

Se a doença estiver avançada, ou seja, o câncer estiver espalhado por outra parte do corpo, o tratamento pode incluir uma combinação de quimioterapia, terapias-alvo, imunoterapia e, eventualmente, cirurgia e radioterapia. Nesse caso, porém, as chances de cura ficam reduzidas.

Agora que você tem essas informações, já pode ter mais atenção, cuidar-se melhor e também fazer parte da campanha Março Azul Marinho. Se você gostou desse conteúdo, não deixe de conferir outras informações do nosso blog. Ele está repleto de dicas de saúde!

 

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade