Não se deve postergar qualquer tipo de consulta, tratamento ou diagnóstico por medo ou insegurança

Apesar de constatar diminuição de acidentes de trânsito, por queda na circulação de carros, acidentes de trânsito ainda tiraram a vida, até o final de março, de mais de dez mil pessoas no país. O Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital São Lucas está completamente preparado e seguro, seguindo rigorosos protocolos de segurança para atendimentos emergenciais, com baixíssimo risco de contaminação por coronavírus. As doenças ortopédicas, traumáticas ou não, continuam acometendo a população e na necessidade de continuar nossa missão como profissionais de saúde adotamos novos protocolos de proteção e atualizamos outros tantos existentes para desde a triagem possibilitar o encaminhamento do atendimento com o máximo de segurança. Foram intensificadas e adotadas medidas rigorosas como desinfecção de todos os ambientes e a disponibilidade de equipamentos específicos e dedicados exclusivamente para o diagnóstico e tratamentos ortopédicos e traumatológicos. A população de Ribeirão Preto e região vai continuar precisando dos serviços de centros de excelência em saúde como o nosso. A saúde dos nossos pacientes não pode esperar. Temos a obrigação e disponibilidade de dar continuidade para que esses atendimentos e neste sentido o Grupo São Lucas que tem três hospitais na cidade, Hospital São Lucas, Hospital Ribeirania e Hospital Especializado, dedicou o Hospital Ribeirania para o atendimento de casos de Covid-19, deixando o Hospital São Lucas e Hospital Especializado isentos de pacientes internados com o novo Coronavirus. Conheça os nossos protocolos de segurança. Junho/2020 Ivette Lira- Assessoria de Imprensa do Grupo São Lucas (16) 99137.8088

7 curiosidades sobre um hospital

Pouca gente sabe o que verdadeiramente acontece em um hospital, principalmente, que profissionais das mais diversas áreas estão envolvidos para o seu perfeito funcionamento. O termo hospital vem do latim “hospitalis” e significa um lugar de hospitalidade e de abrigo a viajantes, estrangeiros e, principalmente, enfermos. Para cuidar desses enfermos, há uma série de trabalhadores que se dedicam com afinco para prestar assistência à saúde de maneira eficaz e eficiente, independente do porte e do perfil da instituição. Desta forma, o pleno funcionamento de um hospital depende de diversos processos e padrões para que tudo seja mantido em ordem e a assistência seja prestada de maneira igualitária a todos que precisam de um atendimento. Listamos, a seguir, 7 curiosidades que envolvem um hospital. Não deixe de conferir!   Antigamente, os hospitais eram administrados por sacerdotes No Ocidente, os primeiros hospitais surgiram na Roma Antiga e eram administrados por sacerdotes. Aos poucos, os médicos foram assumindo esse papel. Por muito tempo, os hospitais pertenceram exclusivamente às ordens religiosas, mas, a partir do Renascimento, passaram a ser geridos por autoridades municipais e se transformaram em locais de atuação dos médicos. Alguns hospitais ainda estão ligados a igrejas, mas os médicos assumiram completamente os cuidados com os pacientes.   Um hospital é uma grande empresa, com diversos departamentos A função principal de um hospital é oferecer serviços de saúde e, para que isso aconteça, diversas outras áreas entram em ação. A gestão de um hospital envolve administração, medicina, hotelaria, nutrição, sistema financeiro, marketing, laboratórios, serviço social, entre outras áreas que compõem as equipes multiprofissionais e multidisciplinares.   A limpeza hospitalar é mais complexa do que se imagina Em um hospital, limpar significa remover a sujeira, os detritos e os derramamentos, mas os cuidados devem ser ainda mais precisos. Os processos também incluem a descontaminação, que é a remoção de sujeira microbiana, e a esterilização, que consiste em erradicar totalmente os micróbios presentes na superfície de itens.   Um hospital envolve muitos números Na gestão hospitalar, os indicadores são fundamentais par avaliar o andamento do hospital, identificar falhas, implementar mudanças e analisar se as medidas tomadas estão surtindo os efeitos desejados. Enfim, os indicadores são fundamentais no gerenciamento geral do hospital como instrumentos para avaliação dos serviços prestados e para controle de recursos e de custos. Esses indicadores incluem censo médio diário, taxa de ocupação hospitalar, tempo médio de permanência, relação de funcionários por leito, sem falar nas contas do sistema financeiro, entre muitos outros números. Alguns pacientes têm prioridade de atendimento Em um hospital, não pode haver tratamento diferenciado para cliente de qualquer plano de saúde nem pode haver prioridade de atendimento a clientes particulares. Porém, algumas pessoas têm prioridade garantida no atendimento: gestantes, lactantes crianças até cinco anos, pessoas com mais de 65 anos, casos de urgência e de emergência.   O porte do hospital é definido de acordo com a capacidade de operação Os hospitais de pequeno porte são aqueles que possuem a capacidade de operação de até 50 leitos. Os que têm entre 50 e 150 leitos são considerados de médio porte e os que atuam com capacidade de operação entre 150 e 500 leitos são de grande porte. Acima de 500 leitos, é considerado um hospital de capacidade extra.   O número de leitos de UTI é satisfatório, mas não equilibrado Segundo recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, a relação ideal é de 1 a 3 leitos de UTI para cada 10 mil habitantes. De acordo com um levantamento feito em janeiro deste ano, o Brasil tem 45.848 leitos de UTI, o que representa a proporção de 2,2 leitos, ou seja, um índice satisfatório. Do total de leitos, 22.844 são do Sistema Único de Saúde (SUS) e 23.004 fazem parte do sistema de saúde privado. Analisando mais detalhadamente e segmentando os dados, o SUS tem média de 1,4 leitos para cada 10 mil habitantes, contra 4,9 da rede privada. O número continua dentro das recomendações, mas representa um desequilíbrio nas contas.   Gostou de saber mais sobre o funcionamento de um hospital? Conte aqui o que mais chamou a sua atenção!

10 passos para largar o cigarro

Todo mundo sabe que fumar faz mal à saúde. Quase todos sabem também que não é fácil largar o cigarro, já que suas substâncias, principalmente a nicotina, causam dependência. Também não existe uma regra única que possa ser aplicada para todos que querem parar de fumar. Tanto que muita gente tenta, mas não consegue. Fato é que se trata de uma batalha individualizada. Cada pessoa desenvolve seu próprio conjunto de estratégias para se livrar do vício e enfrentar melhor os primeiros dias sem fumar, evitando recaídas. A seguir, estão algumas sugestões para quem pretende abandonar o cigarro e ter uma vida mais saudável:   Faça exercícios A atividade física diminui o apego com o tabaco, pois libera serotonina e endorfina, que dão sensação de bem-estar e abrandam a ansiedade. Por isso, reserve tempo para um exercício diário regular, seja uma caminhada, uma corrida, um tempo na esteira ou na bicicleta ergométrica, natação ou mesmo práticas relaxantes, como a ioga, por exemplo.   Tenha uma alimentação saudável Ter sempre pequenas porções de alimentos, de preferência não muito calóricos, é uma boa tática para combater a ansiedade. As gomas de mascar também podem ser aliadas na hora em que a ansiedade bate. Priorize as opções sem açúcar.   Beba água Beber bastante água durante o dia é fundamental, pois isso fará você se sentir melhor. Sempre que pensar em acender um cigarro, tome um copo de água. O ideal é manter uma garrafinha sempre por perto para não ter desculpas.   Evite as tentações Limitar as possibilidades de acesso ao cigarro é muito importante. Evite ficar no mesmo ambiente com pessoas que fumam e tire maços e isqueiros de perto para não cair em tentação sem perceber. Também é importante avisar às pessoas próximas sobre a sua decisão, assim, elas podem ajudar a impor esses limites.   Fuja do álcool Está comprovado que beber dá vontade de fumar, então é melhor não iniciar o processo porque o álcool promove facilmente a recaída. Se separados eles são maléficos, juntos são ainda piores. Foque nos pontos positivos  É simples e surte efeito: fique atento aos benefícios que você terá com isso. Quando se para de fumar, o olfato, o paladar e a respiração melhoram, proporcionando mais qualidade de vida. Até a pele fica mais bonita.   Encontre distrações A vontade é passageira, durando de dois a dez minutos. Nesse intervalo, distraia-se em outra atividade, seja bebendo uma água, chupando uma bala ou fazendo exercícios de respiração. Concentrar-se em atividades prazerosas também ajuda a não desviar o foco.   Faça as contas Mexer no bolso é uma boa opção. Guarde o dinheiro que você gastaria com o cigarro todos os dias e conte no fim da semana para ver quanto economizou. Use o saldo para fazer algo que proporcione prazer. Será gratificante!   Tente terapia Buscar ajuda psicológica e fazer uma terapia para aprender a lidar com essa nova situação também é bastante recomendado, assim como buscar a ajuda de outros profissionais de saúde. Eles poderão expor todos os ganhos de uma vida saudável e traçar estratégias para isso.   Tenha paciência Não é fácil deixar a dependência química. O corpo sente falta e reage com ansiedade, irritabilidade, falta de concentração, sonolência, insônia, entre outros sintomas. Porém, é uma fase passageira, que geralmente dura entre um e três meses.   Com essas dicas, é possível desenvolver sua própria estratégia e começar agora mesmo a luta contra o cigarro. Como já foi dito anteriormente, não é fácil abandonar o vício, mas com algumas medidas e muita persistência, é possível. Você já passou por essa experiência ou conhece alguém que está vivenciando isso? Compartilhe essas dicas nas suas redes sociais! Elas podem ajudar você mesmo ou alguém próximo a se livrar do hábito de fumar.

7 maneiras de melhorar a saúde digestiva

Dores de estômago, azia, prisão de ventre e inchaço são alguns sinais indicativos de que a saúde digestiva não vai bem. Algumas doenças do aparelho digestivo são a gastrite, o refluxo, a intolerância à lactose e as doenças inflamatórias intestinais, entre muitas outras. A ocorrência mais grave pode ser um câncer, de vários tipos, sendo o colorretal o mais frequente. A prevenção é a melhor maneira de diminuir os índices de complicações na saúde digestiva. Para isso, é fundamental manter um estilo de vida saudável e uma alimentação adequada. A Organização Mundial de Gastroenterologia definiu 29 de maio como o Dia Mundial da Saúde Digestiva para orientar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce de doenças do aparelho digestivo. Confira algumas dicas que contribuem com a saúde digestiva:   Coma mais frutas, legumes e verduras Abacate, banana, espinafre e gengibre, por exemplo, são excelentes aliados da saúde digestiva. As verduras e os legumes devem constar nas refeições principais e as frutas são boas alternativas para os lanches da manhã e da tarde. A boa hidratação é igualmente importante, pois é pela urina e pelo suor que o organismo expele as toxinas nocivas.   Cuidado com o cafezinho Modere no cafezinho e nos refrigerantes. Apesar de apresentar inúmeros benefícios, o café é uma bebida ácida e pode prejudicar a saúde digestiva. Os refrigerantes também são ácidos e devem ser evitados. Os chás são alternativas interessantes e mais benéficas. Os de hortelã e de gengibre, por exemplo, ajudam a regular a acidez do estômago.   Evite excessos Condimentos, gorduras, frituras e alimentos processados são extremamente prejudiciais e, portanto, devem ser consumidos com bastante moderação. São exemplos de alimentos processados as carnes defumadas, aqueles preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre, as frutas em calda e frutas cristalizadas, os extratos ou concentrados de tomate, sardinha e atum enlatados, entre diversos outros. Fique atento a seus hábitos Higienize bem os alimentos, evite tomar líquidos enquanto come, melhore a mastigação, não coma e se deite logo na sequência e evite excessos alimentares, principalmente à noite.   Inclua os probióticos na dieta Esses suplementos contêm micro-organismos vivos com a capacidade de gerar efeitos benéficos, como melhorar a absorção de nutrientes, fortalecer o sistema imunológico e ainda ajudar a tratar a síndrome do intestino irritável. Boas escolhas são o iogurte desnatado e o kefir.   Pratique atividade física Fazer uma caminhada, uma corrida ou outro tipo de exercício é fundamental para estimular o metabolismo e manter os alimentos em movimento através do sistema digestivo, reduzindo a prisão de ventre. Além disso, os exercícios físicos ajudam a manter um peso saudável, o que também é bom para a saúde digestiva.   Menos estresse O excesso de nervosismo e a ansiedade comprometem o bom funcionamento do organismo, provocando desde dor de estômago até prisão de ventre. Esses vilões podem fazer com que o sistema digestivo trave, pois sua regularidade depende também de fatores emocionais.   Ao notar qualquer sintoma, o recomendado é procurar um médico imediatamente e evitar a automedicação. Você gostou desse conteúdo? Nosso blog têm diversas outras dicas que ajudam a cuidar melhor da sua saúde. Não deixe de conferir!

1 17 18 19 20
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade